Oficina Aberta

Fazendo miniatura de caminhão para trazer uma carga de boas recordações! Agora no estado de São Paulo

Voltar Página Inicial Miniaturas - Projetos antigos Catálogo de Miniaturas Reflexões
Projetos Ferramentas Como é feito... Outros Sites Miniaturas de FNM
COMO COMPRAR Informática Comentários Quem Sou... Objetivos do Site
Mini Torno Um Pouco de História Perguntas Frequentes Contato Miniaturas de Mercedes-Benz

English


Ferreomodelismo
 

 

MAQUETE DE FERREOMODELISMO

Um dos maiores objetivos do Oficina Aberta é a divulgação de trabalhos e idéias sobre assuntos gerais, mas principalmente modelismo. Assim sendo, não deixa de ser tempo de apresentar trabalhos de colegas modelistas.

Começar uma maquete como a apresentada na foto acima é um ato de bravura, mas concluí-la não é senão um ato de puro heroísmo. Quando se pensa na profusão de detalhes ali desenvolvidos, por mais que se esforce, dificilmente se chega a imaginar de quantas peças e em quantas etapas ela se compôs. Tal concepção artística é inerente apenas àqueles que se dedicam de corpo e alma a um trabalho dessa grandeza. Eis que há inúmeras pessoas que tem inspiração para coisas grandiosas, mas quão poucas são as que levam a cabo um projeto assim tão laborioso.

Sempre tive vontade de iniciar algum trabalho de ferreomodelismo, mas acho que nunca tive coragem de encarar tão complexa tarefa. Fosse fazer um trenzinho vá lá, todavia o ferreomodelismo é muito mais que isso. É paixão mesmo. Quando eu faço a miniatura de um caminhão, é pôr carroceria e pintar e já acho que está pronto. Mas que é um trem sem a ferrovia com seus inúmeros detalhes: estações, pontes, cruzamentos, caixas de água, etc? Cada item tem de combinar, cada detalhe faz a diferença entre essas maquetes. São meses de planejamento e trabalho. Uma equipe grande pode perfeitamente dividir o trabalho em partes para dar tarefas especificas a cada membro. Um vai fazer árvores, outro casas, outro cuida do circuito elétrico e assim por diante. Entretanto, fico extremamente admirado de ver todas essas tarefas sendo executadas por uma só pessoa. Assim, é um privilégio estampar, aqui neste site, fotos do impressionante trabalho de Balan.  

Além de nos presentear com essas belas imagens de seu trabalho, Balan nos dá dicas inestimáveis sobre materiais e técnicas. Muita gente guarda só para si o que aprendeu e o que faz, especialmente quando se vive daquilo que aprendeu. Não sei se é o caso do Balan, viver dessa arte que ele faz. Como alguém já comentou aqui neste site, é muito difícil encontrar trabalhos abertos, tutoriais, enfim material sobre determinados assuntos em sites brasileiros. Quem sabe possamos começar a contribuir de alguma forma? É necessário que haja um pouco de arte pela arte e trabalho, tão somente, pela satisfação de saber que se está a contribuir com alguma coisa. Nesses dias em que o dinheiro fala tão alto que, até quando aparece alguma doença nova, corre-se para registrar marcas e vender produtos que nem de longe tem o objetivo de ajudar a combatê-la. Lá na cabeça dessas pessoas tem Maquiavel, onde os meios podem empregar a desgraça alheia para a tão egocêntrica finalidade do enriquecimento usurpador. Mas esse já é outro assunto. Só divaguei nisso para tentar mostrar o quanto se vai longe. Contudo, existe também o outro lado da moeda: quantos há que tem idéias espetaculares e que bem poderiam render dinheiro justo, mas que não as utilizam dessa forma por falta de informação, por ideologia, ou meramente por não saberem se projetar no mercado. Entretanto, a questão maior, aqui, é louvarmos a iniciativa de expor trabalhos, técnicas e idéias para que todos possam usufruir.

Até para quem jamais viajou de trem, mas que de alguma forma tomou conhecimento do papel deles no transporte por todo o mundo, essas imagens devem trazer sentimentos nostálgicos. De minha parte, ficam as lembranças do cheiro da fumaça, as encostas das montanhas, o vento no rosto numa tarde sonolenta. O apito insistindo em não permitir o cochilo. A alguns o sono não obedece. O ar romântico do ambiente embevece. A ansiedade de chegar, explícita num bocejo quase melancólico, às vezes se confunde com o sentimento de humanidade e ternura trazidos pelo entardecer. O céu fica repleto de nuvens tingidas de cores latentes num mesclado de vermelho e azul, enquanto a brisa suave parece querer falar direto ao coração. Com efeito fala. Às vezes fala...  Para quem ainda não chegou à sua estação, agora as luzes cintilantes e os pirilampos são companhia inestimável para o resto da viagem. Ah! Ainda quero uma viagem de trem! Enquanto isso não acontece, minha mente vai passeando nessa maquete do Balan.

 

Balan, obrigado por compartilhar seu maravilhoso trabalho conosco. Por favor não deixem de visitar esse endereço http://tutoriaisdeferreomodelismo.blogspot.com.br/, pois é lá que estão os trabalhos do Balan.

Texto: Ivan Gouveia

Imagens: Balan

Obrigado pela visita!