Now in the state of São Paulo

 Back  Home Thoughts News
Projects Tools How It is Done... Other Sites
How to buy My Albuns Comments Who I am...
Scale Models Catalog Customer Testimonial FAQ Contact

Making miniature truck to bring a load of good recollections!

           Português  

HOW IT IS DONE


The beginning:

I almost never had store-bought toys, then, as you may imagine, I started making them very early. The tools I had were a hammer, an old scissors, a broken knife and, not always, an universal pliers. The materials were many, among them were wood, old slippers for tires, cans of cooking oil (if I remember correctly, Zilo was written on the can), screen wire and nails. The panels of the cabin, as well as everything else, were tied with thin wire (taken from those screens of hen house). As always, the imagination was my guide.

I never lost the taste for creating things with my own hands as can be seen in the many miniature trucks already made. I think we print a small portion of our personality in everything we do. So, I believe that my works reflect my care for details. Even though, not always a reach a reasonable result. If I do not improve a bit more, or if I improvise something, that is partly because I did not have access to the right information to make better a particular
detail. I even passed a few years without modeling anything. Recently, I decided to make the FNM D 11000, which was supposed to be part of a scenery so that I could acclimate myself to be able to write a novel (writing is another hobby of mine) about a trucker who had one of these FNM. Obviously, the character is fictional. The main reason, I wanted to write the novel, was my taste for machines, especially the trucks. I wanted to portray such a truck in its splendor and in its decay to portray the reaction of the time and the people that surrounded it. For one who likes these relics, which are often abandoned in time, it is as if they had a soul. When I see in a thicket a car or a cabin of a truck, all eaten by rust, what comes to my mind is a vague notion of the socio-historical value of that part. I imagine how much one worked hard to pay for it, how much work to produce and to maintain that truck , how many heavy loads it carried on bad roads, the places it visited and the people who saw it. Finally, I almost hear, echoed in time, the laughs, the testimonies of people who were in that cab. Many of these people went, who knows, to where the soul of that abandoned truck still lives. Each curve in the road, every danger underwent, every honk of the horns may still make sense in a parallel time. I think that remembering them is a way that we found to show respect for the importance that it all represented for the people we love. So, I see. So it seems to be the sentiment of many people who cling to a piece of these (a truck, a car, etc.) and treat it as a newly adopted child. Remembering seems to be a natural way of not letting that images fade, of wanting to hold time, of even wanting to rescue it. Things remind us of people, people remind us of so many other things. Such is life. Our collections of objects have vague meaning if it were not that way. Then, we collect everything we can, from pens to cars. We clung to things from the past even without knowing it is happening.

Currently, I have been researching new materials and, above all, a more efficient way of producing parts, be it in terms of economy, speed and quality, or because many people have expressed the desire to have one of these models. The main idea is that, some day, I am able to make those parts to order. It would be like this: someone who wants a scale model, whether as a gift to a relative or friend who has or had one of these trucks, or to keep for himself, would send me photos of the real model or the specifications he has so that I could accomplish the project as close as possible to what he has in mind. Finally it would be sent by mail.

Many of the questions that people have made about materials, parts and how the scale models made are answered here.

 

Tires:

The tires are made of black silicone rubber. They do not require painting, unless one wants to characterize them to conditions of time and space, that are not those of a newly manufactured vehicle. I do not use store-bought parts for the prototype and mold. They are made all from scratch. I make the prototypes using car body filler, carving each detail. I would even use an already molded part, but my standard scale is 1:25 and there is not much I can use in this scale, at least not in the area where I live. There is also the question about the replication of parts with reserved rights.

 

The Frame:

The frame is made of tin plate number 22. For those who have no idea whatsoever, this plate thickness is much used in the manufacture of rain gutters. They are galvanized, but need not be so. Incidentally, the cover on the surface of the plate, although it is an excellent protection against oxidation, hampers soldering. I have been folding the metal sheets in a vise, but I plan to make a mini straight brake for this purpose only. The cross-members, like almost everything in the model, are soldered with tin solder. Commonly, I use a 60W soldering iron with a 1/4 inch tip, about 7mm. A soldering iron with tip too thin ends not warming up properly the part to be soldered, but a very large one prevents access to the small sections of the parts being soldered. Usually I do not reuse chassis of a brand in another one, for example, the chassis of MB Axor is quite different from the chassis of older models of Mercedes. The Scania and the FNM do not resemble each other much. The wheels are another detail to be noticed. Sometimes, I put wheels of one model or brand in another temporarily, but, as soon as I have time to make others more appropriate, I replace them.

 

 

I regret to say that the translation has been halted due to some reasons. Among them are the lack of feedback of the English speaking people concerning the level of understanding of the text, considering that I am not good in English; the content of the whole site must be reorganized; there are undocumented stuff and, lastly, the lack of time for me to do both mentioned things once the site is a hobby about other hobby.

 

Translation will continue as soon as possible. Thank you for your interest.

 

Cabine:

A  cabine é feita de lata de massa corrida. Não tem segredo, vou medindo, recortando com uma tesoura, dobrando ou curvando e, depois, soldando as partes. Faço os desbastes com uma micro-retífica (uma Dremel é mais indicada) e, quando necessário, retoco com massa rápida. Durante a fabricação, no meu caso chego a ficar muito tempo sem dar acabamento nas peças, deixo-as sob uma demão de óleo lubrificante para que não oxidem.

Pintura:

Embora eu não tenha feito a pintura de forma que me agradasse o bastante (não gosto muito de lidar com as tintas), eu tenho usado tinta esmalte sintético automotiva de boa qualidade. Essas tintas dão um brilho excelente e tem um tempo de secagem razoavelmente curto. Uso um aerógrafo de tamanho médio ou uma pequena pistola de baixa pressão. A dificuldade maior, com relação à pintura, é que não vendem, pelo menos por aqui, tinta esmalte sintético em quantidade (latas) menores que 900ml. Isso encarece muito o trabalho e, às vezes, a gente fica estocando tinta que vai demorar muito para voltar a usar. Então, a idéia é comprar cores básicas como o branco, o preto, o vermelho, etc. A partir dessas cores, com um pouco de paciência, podemos compor a cor desejada. Por exemplo: usei o mesmo vermelho, que pintei o Mercedes-benz Axor, misturado com preto semi-fosco, que usei para pintar o chassis do FNM  D 11000, para pintar o chassis do Mercedes-benz 1513.

Projeto:

Não me baseio em kits ou projetos já prontos pelos motivos já citados com relação à escala que uso. Também não tenho conseguido manuais dos fabricantes do modelo em tamanho real. Restam as fotos da internet e os modelos que ainda se pode encontrar por aí. No caso das fotos da internet, preciso fazer uma vasta pesquisa para poder cruzar informações de modelos e de épocas. Quando consigo isso, delimito a unidade de medida a partir de algo que seja característica óbvia no modelo. Exemplo: o caminhão FNM usava pneu 1100, que são 1100mm. Ora, sabemos que o milímetro é uma das unidades básicas da indústria automobilística, assim, outras referências poderão ser encontradas nessa unidade de medida, como o comprimento dos eixos, altura máxima, etc. Então eu passo a ter uma referência de medida, um parâmetro essencial. O resto se pode fazer por comparações. Assim, o modelo vai sendo redesenhado na escala que será usada, basta um pouco de paciência.

Quando se trata de um modelo que se possa tocar e medir, as comparações se tornam dispensáveis. Basta fazer todas as anotações e fazer a escala a partir delas. Os proprietários de veículos e de oficinas mecânicas costumam ser muito gentis e colaboradores. A certo ponto, as pessoas até ficam felizes de saber que vai ser feita uma miniatura do carro/caminhão delas. Não tenho usado programas CAD (Computer-Aided Design), como o Autocad, mas o ideal seria isso. Muitos dos esboços faço à caneta mesmo.

Na imagem acima, os pontos circulados em vermelho são os defeitos mais graves no desenho. Abaixo é apresentado o resultado final da modelagem, se bem que este ainda não está totalmente finalizado.

 

Escala:

Escala é proporção entre as medidas e distâncias de um desenho, planta ou mapa geográfico e as medidas ou distâncias reais correspondentes (dic. Michaelis). A escala que uso preferencialmente é 1:25. O que significa que a miniatura será 25 vezes menor que o objeto real usado como modelo. Então, basta dividir cada medida de uma peça ou do modelo inteiro por 25 e obter-se-á a medida a ser usada na miniatura. Na escala 1:10 será dividido por 10 e assim por diante. Depois de trabalhado o desenho no computador (muitas vezes uso o próprio Paint), a impressão deve ser feita, preferencialmente, com uma impressora a laser, já que o resultado impresso tem de ser o mais fiel possível ao desenho apresentado na tela do computador. Uma impressora a jato de tinta bem calibrada também produz bons resultados. O ponto mais crítico da impressão do modelo em escala é exatamente a obtenção das medidas correspondentes, ou seja, uma coisa é o que aparece na tela, outra coisa é o que sai da impressora. Mesmo usando o Autocad ou outras aplicações CAD (Computer Aided Design), é necessário dominar alguns parâmetros de configuração do software e da impressora. No começo, para quem não tem certa perícia com os aplicativos próprios para desenho técnico, vários testes e ajustes são necessários. O bom é fazer anotação a cada teste de redimensionamento para poupar trabalho em projetos futuros. Na tela, definir um pixel para cada centímetro pode ser um bom começo. Um metro teria cem pixels, o que já dá para fazer uma régua virtual. A partir daí as comparações ficam fáceis.

 

Scratch:

Apesar de ter sido fluente em inglês (hoje muito enferrujado) eu não estava habituado com a palavra no sentido empregado pelos modelistas. Mas, enfim, é isso que a palavra é. Tenho o hábito de aportuguesar o quanto posso. Bem, de posse do desenho com vistas de frente, de lado, de cima, de baixo e de trás, com um pouco de imaginação e outro pouco de habilidade com as ferramentas e os materiais empregados, a gente vai dando forma à peça. Isso, principalmente quando se faz sem nenhum compromisso financeiro, torna-se uma terapia inestimável. Também ajuda a desenvolver ou manter a coordenação motora.

Cuidados:

  • A tinta automotiva, como muitas outras tintas devem ser aplicas em local ventilado e com o uso de máscara;

  • As chapas metálicas, assim como outros materiais de metal podem causar cortes profundos na pele e, o que é pior, podem causar tétano. Certifique-se de que está em dia sua vacinação antitetânica;

  • A ponteira do ferro de solda é uma peça que fica muito aquecida, dependendo da potência e do tempo de exposição, pode causar queimadura de até terceiro grau;

  • Ao usar esmerilhadeiras, lixadeiras, retíficas deve-se usar óculos de proteção, os olhos são um bem inestimável.

Local para desenvolver os projetos:

Espaço físico mínimo que considero necessário para essas atividades é um local de 6m², de preferência bem arejado (serão usados tinta, thinner, resina e outros produtos tóxicos ou altamente inflamáveis). Sempre é desejável um espaço maior, mas com criatividade e senso de organização, as coisas se ajeitam. Gaveteiras e prateleiras podem ser colocadas em uma das paredes para o melhor acondicionamento de peças prontas, ferramentas e materiais.

A presença de um microcomputador na bancada ajuda muito na hora de trabalhar a escala e pesquisar sobre o modelo na internet.

 

 

Concluindo:

Tudo que faço é scratch pura. Embora faça tudo em metal, estou fazendo moldes de alguns modelos para fazê-los em fibra de vidro (fiberglass), seria uma camada de 1mm em média. Como a maioria das pessoas, tenho maior apego pelos modelos mais antigos e ainda espero poder fazer muitos deles. Em  breve, colocarei, neste site, cada etapa da fabricação de um modelo que, provavelmente, vai ser um FNM D 1100 cavalo mecânico. Pretendo vender alguns modelos, mas ainda estou me preparando para isso. Como disse acima, fazer por encomenda me parece a melhor idéia, a pessoa idealizará o modelo que quer, época, pintura, configuração, etc. 

Este material foi, inicialmente, escrito exclusivamente para responder aos comentários e perguntas que os modelistas fizeram, mas também se refere aos comentários e perguntas gerais deste site.

Muitíssimo obrigado por terem feito as perguntas e comentários.

Ivan Gouveia

 

 

You may also want to see:

A Bit of History

How Tires are Made

FNM Mini Assembly Line

Scania Mini Assembly Line

Projects

Soldering

How the Molds are Made

 

 

Considerations about the language

For I am not born under the English language, nor I have practiced it for a long time, many brutal errors may appear in my writings. I would be glad if those who detect such errors warned me about them. It is common that people make many mistakes when using a foreign language. Some misspelled words may sound ridiculous. So, if the way a used some word made it offensive or something like that, please let me know.

 

Ivan Gouveia

Post graduate in Computer Networking from FACIMED - Faculty of Biomedical Sciences of Cacoal. Graduate in Information Technology from UNESC - Union of Colleges of Cacoal. Has a CCNA (Cisco) as complementary course on Computer Networks. Is professional in the field of Electronics and Computer Programming. Programmer in languages Delphi and Visual Basic.